1º Domingo em Belém...

Após sua chegada em Belém, no dia 18 de maio,
as irmãs celebraram o Dia do Senhor junto à comunidade indígena e
de imediato as três freiras perceberam que estavam entrando num mundo diferente, 
numa cultura rica e belíssima!
Há dias, no silencio da noite sem energia, um som, um ritmo melodioso constante acompanhava a todos: o bater do tambor... sábado pela tarde frades e freiras foram convidados na casa da Moça Nova, 
casa de palha, lugar sagrado, para acompanhar alguns preparativos deste milenário ritual de iniciação e todos, em um clima alegre, festivo, sagrado, foram pintados no rosto com jenipapo conforme o clã (os ticuna chamam de nação, na’cüa’
que as mulheres reconheceram já marcado na palma das mãos.
Domingo pela manhã, após a Santa Missa, como a maioria do povo, freis e freiras seguiram
para o lado da Igreja, para outro lugar sagrado, a Jü’ü Patã’ü
aonde por algumas horas dançaram abraçados em comunidade, 
em comunhão, saboreando um pouco de pajuaru e caldo do mesmo...
Domingo, dia do Senhor que se fez homem,

que se fez Comunhão e que está desde sempre presente em cada cultura...