Igarapé do Tacana um grito que não ecoa!



A Paróquia São Francisco de Assis enviou um grupo de indígenas para uma incursão no Igarapé do Tacana, passando por todas as comunidades desde a boca do igarapé até as primeiras comunidades que ficam próximas de Tabatinga.
O objetivo foi coletar assinaturas e imagens da degradação que tem acontecido. O lixão de Tabatinga tem sido despejado muito próximo deste Igarapé causando a poluição com todas as suas consequências. Lembramos que o rio é fundamental para a manutenção da vida das várias comunidades que estão neste igarapé (Terra da Paz, Nossa Senhora Aparecida, Nova Jerusalém, Pena Preta, Santa
Rosa, Novo Cruzador, Monte Sinai, Nova Extrema, Estrela da Paz e Água Limpa).
Estas águas são utilizadas para o banho, a lavagem de utensílios e roupas, transporte, e dele vem o peixe que é a base de sustentação da vida deste povo.
Após a coletagem destas assinaturas juntamente com as fotos, encaminhamos para o Bispo diocesano Dom Adolfo que entregará para o promotor de Tabatinga.
Nas últimas décadas se tem falado sobre a degradação do ambiente, por isso, como os municípios ainda continuam deixando que estes sinais de ameaça ainda aconteçam?
Temos esperança que este passo tomado por estas populações indígenas do Tacana que ainda não ecoa, cresça e possa ser ouvido!
Algumas imagens deste movimento: